Casos de cadelas que adotam gatinhos chamam a atenção no Tocantins

Casos de cadelas que adotam gatinhos chamam a atenção no Tocantins
7/nov/2016
0 comentários

Um caso de uma cadelinha que adotou dois gatinhos abandonados chamou a atenção de uma pequena cidade no norte do Tocantins. Lupita, uma cadela da raça Pinscher aceitou dois gatinhos recém-nascidos que foram resgatados de uma enxurrada. Hoje Lupita amamenta os felinos encontrados pela auxiliar administrativa Waniceia Nunes da Silva, de Axixá – TO. Esse e outros casos de cadelas que adotam gatinhos têm sido frequentes.

Waniceia conta que os gatos foram jogados por cima do muro da escola em que trabalha e caíram numa poça d’água. Chovia muito e a mulher os recolheu antes que fossem arrastados pela enxurrada. “Pensei em levar para casa, mas tinha um problema: minha cachorra Lupita nunca gostou de gatos”. A surpresa foi que Lupita logo aceitou os recém-nascidos. Ela conta que Lupita tinha passado por um cio, mas sem cruzar, e logo começou a produzir leite para alimentar os filhotes. A mulher tem ainda mais 3 cães da mesma raça e temia a reação deles. Felizmente, ela conta que todos aceitaram numa boa a presença dos gatinhos.

Outros casos semelhantes

Em março deste ano, em Palmas, capital do Estado do Tocantins, a cadela Gabi, da raça lhasa apso, adotou o gatinho Zezé levado para casa pela filha da dona do cão.

Em setembro do ano passado, em Crixás do Tocantins, no sul do Estado, após perder dois filhotes próprios, a cadela Lia, uma vira-lata, adotou o gatinho Xavier, que tinha sido abandonado na rua e foi levado para casa pela tesoureira Mareisa Aguiar. O gatinho estava desnutrido e Lia passou a amamentá-lo.

Veterinários explicam que o instinto materno é muito forte em alguns animais. Cadelas e gatas costumam apresentar esse comportamento quando se deparam com recém-nascidos abandonados. É uma atitude natural que elas apresentam ao identificar a situação, chegando a produzir leite após a sinalização hormonal que ocorre nas fêmeas não castradas.

Fonte: Folha Vitória   e Estadão