Cinomose – Tratamento, sintomas e prevenção

Cinomose – Tratamento, sintomas e prevenção
24/set/2015
0 comentários

A cinomose é uma doença altamente contagiosa, causada por vírus. Ela atinge principalmente filhotes que ainda não desenvolveram seu sistema de defesa contra doença, mas pode atingir também animais adultos, principalmente aqueles com problema de enfraquecimento do sistema de defesa. Os fatos que podem levar a quada na capacidade do animal de suportar doenças são vários, entre eles  outras doenças, subnutrição, estresse, etc. Portanto, um animal debilitado é sempre mais susceptível de ficar doente.

A cinomose é caracterizada por um surto febril em duas fases. A primeira, cerca de 3 a 6 dias após a infecção, é acompanhada de uma redução do número de glóbulos brancos no sangue. O segundo surto febril ocorre 7 a 10 dias após o primeiro e pode durar até uma semana. O segundo surto de febre vem normalmente acompanhado de descarga catarral via intestino e trato respiratório. As vezes ocorrem complicações pulmonares e aparecem sintomas de distúrbios neurológicos. O quadro de cinomose é normalmente complicado pela ocorrência de infecções secundárias, principalmente bactérias.

O vírus da cinomose é relativamente pouco resistente fora do corpo do animal e, portanto, pode ser facilmente eliminado do ambiente com uma boa lavagem e desinfecção do local onde o animal vive. Todavia, um animal infectado, pode transmitir o vírus por um longo período de tempo. Por isto, os animais que tiverem a doença devem ficar isolados de outros animais até que estes tenham sido vacinados e tenha dado tempo para a vacina protegê-los.

Por ser uma doença virótica a cinomose não tem tratamento. Deve-se prevenir contra a doença com um programa de vacinação do filhote, bem delineado por um veterinário da sua região.  Os animais adultos também devem ser revacinados anualmente. Sempre que o animal apresentar sintomas de cinomose deve-se iniciar um tratamento com antibióticos visando o controle das infecções secundárias. Também deve-se, sempre que possível, fazer a reposição de minerais com o uso de eletrólitos para ajudar no balanço hídrico do animal. Durante o quadro febril da doença deve-se fazer uso de anti- térmicos e analgésicos. E, finalmente se o animal apresentar sintomas neurológicos, o uso de anticonvulsivantes é recomendado. Todos estes medicamentos visam reduzir ao máximo o desconforto do animal. Todavia, nenhum deles trata diretamente a infecção virótica.

Apesar do tratamento intensivo nem sempre o animal se recupera completamente e com frequência os sintomas neurológicos nunca são totalmente controlados.

Como se prevenir?

A melhor solução ainda é a prevenção, ou seja, vacinar corretamente.

– Os cãezinhos podem ser vacinados a partir de 6 semanas de vida, mas esta indicação deve ser feita pelo Médico Veterinário.

– Antes de vacinar contra a cinomose, não saia com o filhote para passear nem deixe que ele brinque com outros animais.

– Evite jardins públicos, água e alimentos de origem desconhecida.

–  Use desinfetantes comuns nas áreas onde ele circula para exterminar um vírus à espreita.

Fonte: Fvo alimentos