Cuidados com o cão idoso

Cuidados com o cão idoso
11/ago/2015
0 comentários

 

A idade chega pra todos, e isso não seria diferente para nossos companheiros, os cães. A questão é: Você está preparado para cuidar do seu cão quando ele chegar à terceira idade?

Nessa fase, os cães , assim como as pessoas idosas, passam por muitas mudanças e precisam de mais cuidados e atenção especial.

Mas como saber se seu cachorro já envelheceu? Esta é uma questão subjetiva e portanto muito controversa. Sabe-se que a expectativa média de vida de um cão é de cerca de 12 anos e que ela varia de acordo com a raça, particularmente com o tamanho do animal. Os animais de raças gigantes ou grandes tendem a viver menos que os animais de raças menores. Em geral, acredita-se que um animal de raça grande seja considerado idoso a partir dos 5- 6 anos de idade, ao passo que um de raça pequena a partir dos 8-9 anos de idade.

Devemos considerar também que o processo de envelhecimento em si não é uma doença, mas um processo de mudanças progressivas que ocorrem em  vários órgãos e tecidos do corpo do animal, tornando-os mais suscetíveis as variações que ocorrem no seu ambiente. Assim, não é recomendável considerar o animal idoso com base em parâmetros definidos em grupos de animais, mas sim avaliar e definir as necessidades do animal a medida que envelhece de forma individual.

Os primeiros sintomas de senilidade surgem com a redução da capacidade sensorial do animal. Ele começa a ouvir e enxergar menos, podendo ficar desorientado e se perder mais facilmente, o que exige uma maior atenção do proprietário sempre que sai com o animal do seu ambiente  cotidiano. O olfato e paladar diminuem fazendo com que ele vá perdendo o interesse pelo alimento, podendo vir a se tornar um animal mais magro, com  perda de massa muscular, brilho e tonicidade da pele e pelos. Neste caso deve-se estar atento para estimula-lo a se alimentar, fornecendo pequenas quantidades de alimentos, três a quatro vezes ao dia. Se necessário pode-se estimular o consumo de alimento seco pela mistura de um pouco de alimento úmido, enlatado por exemplo, tendo-se o cuidado de não deixar este alimento misturado por mais de meia hora a disposição doa animal, pois ele entrará  em decomposição podendo causar distúrbios intestinais. Outra possível causa de problema de ingestão de alimento pode ser de origem dentária. A inflamação da gengiva tende a tornar doloroso o ato de consumir o alimento, devendo solicitar ao médico veterinário um exame cuidadoso dos dentes e gengiva do animal.

Os animais idosos também tendem a ter uma menor sensibilidade a sede e bebem menos água, o que pode causar desidratação especialmente no período mais quente do ano.  A desidratação pode, também, torna-lo mais sensíveis ao calor, devendo-se mantê-lo em local fresco e arejado e com água fresca sempre a sua disposição. Já existem no mercado, alimentos líquidos para estimular o consumo de água por animais idosos.

As mudanças são variadas e vão depender  da condição de saúde e cuidados específicos que o animal recebeu durante sua vida, o ideal é que mesmo que seu cachorro aparentemente não esteja sentindo nada, seja realizado um check-up em intervalos semestrais, para verificar a saúde dos órgãos internos.

Fonte: FVO alimentos