Pesquisadores criam exame mais rápido e barato para diagnóstico da cinomose

Pesquisadores criam exame mais rápido e barato para diagnóstico da cinomose
12/abr/2017
0 comentários

 

Uma das doenças mais comuns de cães em todo mundo, a cinomose, pode ter em breve um exame diagnóstico mais rápido e barato. Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) de São Carlos – SP desenvolveram um método melhor para diagnóstico da cinomose, mesmo em estágios iniciais.

A cinomose

A cinomose é uma grave doença viral muito contagiosa que acomete cães de todas as idades. É considerada a segunda doença com maior taxa de letalidade, atrás apenas da raiva. O diagnóstico não é simples, e muita vezes demora dias até ser confirmado por diferentes tipos de exames e análises do médico veterinário. Não existe ainda um tratamento específico para a cinomose, porém é possível tratar os sintomas e dar o suporte que o animal precisa para a cura da doença. Quanto antes esse suporte iniciar, maiores são as chances do animal sobreviver.

O único meio eficaz de previnir a cinomose é através da vacinação, disponibilizada e aplicada apenas por médicos veterinários.

O novo método de diagnóstico da cinomose

Foi criado um dispositivo pelos pesquisadores em parceria com a empresa ParteCurae que consiste em um papel de filtro com aditivos químicos que interagem com o sangue do animal. Quando o animal produz o anticorpo para a doença, este reage com o dispositivo. Essa reação gera um sinal vermelho no dispositivo, que confirma o diagnóstico. O processo é rápido, e dura aproximadamente 20 minutos. Outra vantagem é que o exame é capaz de identificar a doença mesmo em estágios iniciais.

Esse método novo está sendo criado dentro da teses de mestrado e Julia Pereira Postigo, sob orientação do professor Emanuel Carrilho, do Instituto de Química de São Carlos (IQSC), e eles acreditam que chegará ao mercado em dois anos, após os testes de precisão, custando cerca de R$ 20. Julia disse que o objetivo era criar um dispositivo nacional mais barato que os importados, disponíveis atualmente .

Fonte:  G1 São Carlos e Araraquara